Partícula evolutiva – Por João Batista Avlis

A Chave da Sabedoria
Os espíritos desencarnados não dormem e nem ficam parados. A Lei da Evolução determina que evoluam em mundos-escolas materializados. Ou auxiliando os espíritos do Astral Superior no trabalho de Limpeza Psíquica da atmosfera fluídica da Terra, como no caso específico de muitos espíritos que pertencem e estagiam nos mundos opacos.

No entanto, não devemos deduzir que todos os espíritos após cumprirem sua etapa evolutiva nos mundos densos, e ascenderem à classe dos mundos opacos, ali estacionem, sem conseguir galgar a classe dos espíritos dos mundos intermédios e depois desta, nas demais classes seguidamente; e terem somente como alternativa, evoluírem auxiliando as Forças Superiores no trabalho de Limpeza Psíquica da atmosfera da Terra.


Não! Assim, como os demais espíritos que evoluem em mundos escolas, há espíritos dos mundos opacos que também continuam a fazer a sua evolução em mundos escolas como o nosso. E somente aqueles espíritos que perderam muitas reencarnações sucessivamente, decidem do seu mundo de estágio opaco, fazer a sua evolução auxiliando as Forças Superiores. Que embora, essa evolução, seja muito mais lenta ela é certa e segura dando-lhes no tempo certo, as condições de ascenderem a classes superiores da espiritualidade.

No capítulo Força e Matéria por analogia: A Força Criadora. A Inteligência Universal. Ou o Grande Foco, pode ser imaginado com um grande clarão, ou, um infinito foco de luz onde o Universo está mergulhado como se esse clarão fosse um oceano de luz. Desse incomensurável clarão.

Tal qual um incomensurável braseiro, saltam pequenos pontos de luz, em busca da própria individualização, como aquelas fagulhas que saltam pipocando das fogueiras de São João. Só que estas viram cinzas de carvão. E as do Grande Foco evoluem. Essas fagulhas, ou melhor, esses pontos de luz desprendidos do Grande Foco são partículas da Inteligência Universal, as quais, simples e ignorantes, possuem um potencial latente incalculável. Estas partículas de luz, para conquistar a consciência, mergulham nos mundos materiais em busca da construção da sua individualidade.

Cada partícula da Inteligência Universal promoverá o seu progresso, a seu modo, a sua custa, através de método interativo, isto é, de ensaios e erros repetidos incansavelmente, de acordo com os procedimentos que adotar no transcurso da sua trajetória evolutiva. Trajetória esta que demandará milhares de séculos, vivenciando as suas experiências, inicialmente através dos reinos da natureza. Ficando claro, que ao saltar da grande fogueira a partícula ainda não era um espírito.

A Partícula Inteligente somente conquistará a condição de espírito quando, através de inúmeras experiências pelos diferentes reinos da natureza, conseguir construir, por si própria, um corpo mental capaz de gerar pensamentos contínuos como homem, porque, ainda na condição de animal, não possui raciocínio plenamente desenvolvido. Suas ações são mais ou menos instintivas. Seu pensamento é fragmentado, estimulado pelas necessidades básicas e pelo instinto de defesa. Somente quando tiver conquistado pensamento pleno, contínuo e por consequência o livre-arbítrio poderemos considerá-la como espírito.

Depois de terminar sua evolução no reino animal, passará para o reino hominal “animal racional”. Quando então, prosseguirá sua evolução em mundo escola, apropriado à sua condição evolutiva como espírito.

Quanto ao nascimento da Partícula Inteligente, até o presente momento, devido a nossa condição de espíritos evoluindo em mundos escolas como o nosso, e do baixo grau de espiritualidade dos espíritos que nele evoluem, não temos discernimento suficiente para responder com precisão se nascemos no momento em que saltamos da grande fogueira.

Contudo, podemos dizer que a Partícula Inteligente, simples e ignorante, ainda não individualizada, está contida no âmago da Força e será forçada pela lei natural a saltar do seio materno, quando estiver preparada. E madura, para iniciar a sua autoconstrução. Por conta própria em busca de realizar-se como espírito. E nessa realização, a Partícula Inteligente precisa inicialmente do caminho oferecido pela Matéria, para atingir a meta de se tornar um Espírito.

Atingida essa etapa, como nós nos encontramos agora, o objetivo será, então, nos livrarmos do instinto primitivo da adoração, das armadilhas da vida material nos esclarecendo dos porquês de estarmos encarnados.

Dessa forma, podemos deduzir que a Partícula da Inteligência Universal sempre existiu no seio do Grande Foco, sendo, portanto, inascível. Sempre fez parte da essência da Força Criadora. Portanto, sempre foi imortal, imperecível.

O espírito não morre nem perde nunca a consciência de si mesmo. Jamais parará de pensar. A morte do seu corpo físico que usou quando encarnado não o atinge.

A sua consciência é indestrutível, pois, ele mesmo a construiu, através de incontáveis lutas e sofrimentos atrozes. E  sozinho. E por si mesmo. Nesse processo nunca interferiu a figura do deus das religiões, nem anjos, ou outros protetores quaisquer.

As Partículas da Inteligência Universal, em obediência às Leis Naturais e Imutáveis, incitam e movimentam os diversos reinos da natureza, estabelecendo a Vida em todos os seres orgânicos e inorgânicos, desde a pedra aos metais, aos vegetais, aos animais e ao gênero humano.

Todas as Partículas Inteligentes estão em constante ascensão para a Luz, para a sua fonte de origem, que é o Grande Foco, animador de tudo quanto existe. Dessa forma, e claro que quando essas partículas chegam a organizar animar e movimentar corpos humanos, elas já realizaram grande progresso e fazem parte das Forças de categoria verdadeiramente Racional. E como tais, responsáveis por seus atos e pensamentos, sem que possa haver desculpa, ou perdão.

Partícula evolutiva
Por João Batista Avlis

Fonte: Livro Chave da Sabedoria de Fernando Faria - Pág. 129 a 133.